Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




bar-tailed-godwit-4559693_640.jpg

(Fuselo - Limosa Lapponica)

“Já chegámos? Já chegámos?” O mundo unido numa redonda pergunta. 384.400 km. A raça humana embarcara, temerária, naquele Saturno esguio. A Águia aterraria em quatro dias, periclitante, no solo lunar.

Alheia à História que se fazia naquela noite, eu viajava no berço dos meus sonhos enquanto na imaginação mundial acordava um universo de possibilidades. Na saleta, os meus pais controlavam o sono a poder de cafés e entusiasmados cigarros, ouvidos atentos à Emissora Nacional, olhos colados na TV a preto e branco. Aproximavam-se as quatro da manhã do dia 21 de Julho de 1969, era ainda a noite de 20 nos Estados Unidos, quando demos um pequeno passo no regolito lunar e nos lançamos no salto gigantesco que um dia, ainda longe, há-de resgatar a humanidade da sua extinção. Fomos em paz e em nome de todos. O mundo unido numa redonda conquista. Nunca fôramos tão grandes.

O educador Charles Morton escreveu no séc. XVII um tratado sobre a migração das aves no qual defendeu que no Inverno elas voavam até à Lua, regressando depois na Primavera. Estimou que a distância a percorrer fosse de 179,712 milhas e que elas demorariam 60 dias a chegar lá a 125 milhas por hora. Se desapareciam da paisagem, para onde poderiam elas ir senão para a Lua?

Vi um fuselo na praia a comer avidamente. Está de passagem. As aves migram desde tempos ancestrais para fugir de ameaças à sua sobrevivência. Regressam ao local de partida, na estação seguinte, para acasalar e cuidar das crias. Os fuselos dispensam qualquer foguetão. Preparam-se para viajar acumulando enormes reservas de gordura: é o combustível. Mais de metade do seu peso é gordura. À medida que engordam, os músculos peitorais e as patas também crescem. Batem as asas durante a maior parte da viagem. Além da força muscular, os fuselos também tiram partido do vento embora não planem. Orientam-se pela sua misteriosa “bússola interna”:tecnologia de ponta. É bem possível que dormitem enquanto voam, quem sabe se não sonharão com uma viagem à Lua!

Em 2007, um fuselo fêmea, uma ave com apenas 40 cm de comprimento e 80 de envergadura, percorreu 11.570 km, um voo de 8 dias, sem escalas. Partiu de um estuário no Alasca e alcançou a costa da Nova Zelândia, uma distância equivalente a ¼ da circunferência da Terra.

Da próxima vez que olharmos a Lua, se nos sentirmos grandes, lembremo-nos do fuselo.

Tema da semana: Já chegámos? Já chegámos?

publicado às 15:00


19 comentários

Imagem de perfil

De imsilva a 15.11.2019 às 15:49

Imagem de perfil

De Sarin a 15.11.2019 às 16:35

Já percebi que és ornitóloga... e agradeço-te a informação: desconheço o fuselo, uma maravilha da evolução.

Ainda passariam 3 anos entre a alunagem e o meu nascimento - e muitos triénios mais até chegarmos assim tão longe :)
Mas a humanidade foi fuselo nas Caravelas... e agora evoco a Maria Guinot e com a música na lembrança do teu texto, vou-me :)
Beijos, até breve
Perfil Facebook

De Belinha Fernandes a 15.11.2019 às 18:10

:) Não sou ornitóloga. Há uns anos apanhei um canário à porta da minha casa e desde então o meu interesse por aves tornou-se quase uma obsessão. Um amigo avisou-me que são viciantes e tenho de concordar com ele. No Facebook sigo vários grupos de fotógrafos de aves e com eles tenho aprendido a identificar muitas das espécies portuguesas. Só ainda não me dediquei mais ao birdwatching por falta de tempo($).
Imagem de perfil

De Sarin a 15.11.2019 às 18:22

A falta de t€mpo é tramada :)

Gosto de os ver e até identifico vários, mas estou muito, muito longe da obsessão - e mais longe, ainda, da vontade de ter algum em casa (com excepção de perú, pato e galinha na mesa).
Sem imagem de perfil

De ossapossabembeijar a 15.11.2019 às 17:30

Muito bom
Nos somos apenas um pequena palavra na história se ela ocupasse uma Página de um livro
Perfil Facebook

De Belinha Fernandes a 15.11.2019 às 18:16

Obrigada, MS. Quando comecei a escrever isto não era para essa ideia que queria apontar. Era mais isto: olhamos para longe extasiados e estamos cegos ao que convive connosco. Depois saiu-me algo na linha do que dizes e deixei ficar. Espero que o pessoal seja sensível à maravilha que são as aves- não estou a fala dos Pássaros malucos que nos atraíram a este Desafio, claro! Elas guardam mistérios que o Homem ainda hoje não conseguiu resolver, mesmo se já meteu o pé na Lua...
Sem imagem de perfil

De ossapossabembeijar a 15.11.2019 às 18:44

Sim
E está lindo porque envolves os animais para nós fazer o quanto minúsculos somos
Nada como um conta para nós por na verdadeira posição que ocupamos no universo
Imagem de perfil

De Ana de Deus a 15.11.2019 às 19:12

espectacular! adorei
beijinhos e bom fim-de-semana
Perfil Facebook

De Belinha Fernandes a 15.11.2019 às 23:26

O mérito é do fuselo! Bom fds!
Imagem de perfil

De Por detrás das palavras a 15.11.2019 às 22:27

Grande fuselo!! Não conhecia esta ave. Tens me ensinado muito sobre elas. :)
Perfil Facebook

De Belinha Fernandes a 15.11.2019 às 23:37

Confesso que até 2014 não sabia muito sobre elas. O responsável pela mudança é este: https://palavras-cruzadas.blogspot.com/2014/12/o-canarinho-esta-doente-alguem-pode.html

Sempre gostei de animais. Em miúda queria ser veterinária. Mas nunca liguei muito a aves. No mundo havia pombos, gaivotas e pardais, algumas andorinhas também, papagaios! E frango...Ahahahah!
Imagem de perfil

De Alexandra a 16.11.2019 às 16:40

Boas vindas ao Fuselo aqui na passarada
Imagem de perfil

De Belinha Fernandes a 17.11.2019 às 22:44

O Fuselo agradece!
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 17.11.2019 às 14:06

Comentei no blgspot, espero que o tivesse recebido.
É que não consigo comentar com ninguém, lá.

Muito, muito bom.
Imagem de perfil

De Belinha Fernandes a 17.11.2019 às 22:43

Olá Maria. Recebi, sim, muito obrigada pelos dois comentários! Em Janeiro migrarei o blogue para o Sapo. Já decidi. ;)
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 17.11.2019 às 23:21

Muito bem.
Boa semana.
Imagem de perfil

De Drama Queen a 19.11.2019 às 10:10

Gostei imenso no texto, só conheço os pardais e cegonhas!
Perfil Facebook

De Belinha Fernandes a 19.11.2019 às 11:10

Vai sempre a tempo de conhecer mais: elas andam aí! Até há poucos anos eu era igual. Mesmo em Portugal a variedade é imensa! Alguns são parecidos e difíceis de distinguir, eu ainda falho muito. Além da beleza, os comportamentos das aves são um mundo de curiosidades...;) Obrigada pelo comentário, o fuselo também ficou contente!
Imagem de perfil

De José da Xã a 29.11.2019 às 13:01

Na verdade esquecemo-nos que a natureza está muito à frente de nós.
Belo texto.
Parabéns!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


O meu outro blogue

Palavras Cruzadas

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D